Intimidades digitais, Pandemia e Capitalismo

Contextos de Intimidade

Uma das mais evidentes facetas da actual situação de pandemia é o muito importante distanciamento físico (geralmente referido como “distanciamento social”). Num contexto cultural como o português, com várias práticas sociais que se baseiam na proximidade física (desde cumprimentar algumas pessoas com dois beijos na face, até ao “ir tomar um café”), e com várias pressões socioeconómicas que forçam uma proximidade física às vezes superior à desejada (basta pensar nos transportes públicos de algumas das principais cidades em hora de ponta), esta faceta é particularmente impactante (em especial para grupos discriminados).

A nível global, porém, outra preocupação que tem vindo a ocupar atenção mediática passa pela gestão das relações íntimas, e pela gestão do sexo e da sexualidade, com a World Health Organization a posicionar-se sobre questões de Saúde Sexual e Reprodutiva, ou o Instituto Nacional da Saúde Pública e Ambiente da Holanda a emitir uma lista de sugestões e cuidados a ter ao nível da saúde sexual.

Neste último caso, o que mais chamou a atenção dos media parece ter sido a sugestão de que as pessoas solteiras combinassem ter um relacionamento de tipo sexual com alguém especificamente durante o isolamento, para reduzir o risco de contacto com várias pessoas e criar uma espécie de contentor social de segurança ampliada. O que parece ter recolhido menos atenção é o destaque também dado à possibilidade de fazer “sexo à distância”.

Esta ideia de “sexo à distância” envolve, na maior parte dos casos, e em menor ou maior grau, o uso de tecnologias de informação para a concretização de interacções sexuais, desde videochamadas, até ao uso de aplicações de encontros (e.g.: OkCupid, Grindr, Flutter, Tinder, Bumble, HER, Lesly). O meu objectivo neste texto é o de analisar as interacções entre tecnologia e sexualidades, as narrativas sociais em circulação que condicionam a forma como vemos cada um destes elementos, e como todos eles têm de ser lidos em articulação com o capitalismo.

Tecnologia e Intimidade

É óbvio e incontornável o facto de que vivemos numa sociedade profundamente entretecida com tecnologias de informação e comunicação (TICs) – numa era de mediatização profunda. Isto não quer dizer que toda a gente tem acesso a TICs, mas que a nossa percepção e organização do mundo está profundamente mediada, por muito que essa mediação seja extremamente indirecta aos nossos olhos ocidentais (como, por exemplo, o papel que os nossos telemóveis têm na manutenção da mão-de-obra escrava infantil).

Porém, essa relação está cheia de tensões e contradições, e de ansiedades, especialmente no que toca ao campo da sexualidade. Entre as várias narrativas existentes, uma das mais fortes e com mais visibilidade é a de que as relações digitalmente mediadas funcionam como um mecanismo de afastamento de relações interpessoais ‘autênticas’ e significativas, ou que só permitem relações superficiais, sem compromisso, líquidas.

No entanto, e como a investigação tem vindo a demonstrar, esses medos parecem grandemente infundados. A tecnologia faz parte dos relacionamentos interpessoais desde há muito tempo, e as ICTs são formas específicas de tecnologia mas não são ‘mais’ (nem ‘menos’) tecnologia do que as cartas ou telegramas de outrora, ou os quadros trocados entre esposos prometidos das casas reais europeias.

Mitos e Normas sobre Sexualidades

Uma das razões principais para a rápida e fácil circulação de pânicos e ansiedades em torno de tecnologia e sexualidade tem que ver com tecnodeterminismo – isto é, a ideia de que as características técnicas da tecnologia sobredeterminam o impacto e usos da mesma. Um outro tem que ver com a existência de um regime normativo do que é que deve ser considerado como uma ‘boa’ sexualidade (algo a que Gayle Rubin deu o nome de Círculo Encantado), e fora do qual se coloca tudo o que não seja visto como ‘natural’ (de videoconferências a vibradores). Nessa perspectiva, o cibersexo (em toda a sua diversidade) é não apenas visto como uma forma inferior de vivência sexual, mas como uma forma ‘errada’ ou mesmo potencialmente patológica, igualada a uma perda de valores ou a degradação moral e social.

Não é preciso sequer, de resto, incluir TICs para observar isto na prática – basta pensar no quanto o primado da genitalidade é fundamental para a estigmatização do BDSM, por exemplo; ou nas implicações normativas do próprio conceito de “preliminares” no sexo.

Aplicações de encontros e o isolamento por COVID-19

Uma visão superficial do papel destas aplicações poderia fazer-nos pensar que, sendo elas tão focadas em tecnologias geoespaciais e na mobilidade (e mobilização) de pessoas para o seu dia-a-dia, numa época em que sair é quase impossível, as mesmas seriam praticamente abandonadas. No entanto, é o oposto que sucede, e várias companhias registaram nestes últimos meses um crescimento enorme do número de pessoas a utilizar as plataformas e do número de mensagens trocadas por entre os seus utilizadores.

Ademais, estas plataformas também não se limitaram a simplesmente manter os seus serviços: adaptaram-se à circunstância. Essa adaptação tomou várias facetas: por um lado, o envio de mensagens ou avisos (tanto nas aplicações móveis, como nos seus sites) sobre cuidados a ter em termos de contactos físicos directos (ou apelos a que esses contactos não existam de todo), e também o desbloquear de algumas funcionalidades consideradas premium, como a de redefinir a localização de quem usa a aplicação manualmente, independentemente da localização física da pessoa. 

Assim, as redes de contactos alargam-se, a possibilidade de contactar com mais pessoas de mais contextos diferentes também se alargam, e a pressão para que esses contactos tenham que efectivar-se em encontros físicos fica à partida dirimida (para o que de bom e de mau isso tem). Isto permite a muita gente combater o seu próprio isolamento social (e não somente físico), mas também permite, como a Holanda muito bem fez notar, o alargamento do repertório sexual, incluindo actividades como exposição por vídeochamada, sexting, uso de brinquedos sexuais controlados à distância e muitas outras modalidades enquanto parte de uma vida sexual plena (ou seja, vivida de forma consciente e consonante com os próprios desejos e vontades das pessoas envolvidas, o que também inclui pessoas no espectro da assexualidade que podem ou não ter interesse em qualquer uma destas coisas, mas ainda assim ter interesse em proximidade social e intimidade).

Dito de outra forma: existe aqui o potencial de alargar as redes de sociabilidade, de intimidade, e mesmo de sexualidade, e não apenas o de utilizar estas plataformas como um sistema reparador ou compensatório da (falta de) sexualidade vivida em presença física com outras pessoas.

Conexão e Capitalismo

Não obstante este uso positivo das TICs, é importante não esquecer que estas aplicações são a superfície de contacto do que são, na verdade, empresas. Ou seja, ainda que as aplicações possam ter um papel importante na manutenção das ligações interpessoais, e estejam proactivamente a tomar medidas para que o auto-isolamento seja mantido, existem razões estritamente económicas por detrás dessas decisões. Ademais, apesar de existirem várias plataformas, é importante notar que essas várias plataformas não correspondem efectivamente a diferentes iniciativas ou empresas.

Um exemplo paradigmático é do da Match Group. Este é o nome da empresa que é dona do OkCupid, PlentyOfFish, Tinder, Hinge e Match.com. A empresa, norte-americana, está cotada em Bolsa e, se olharmos para o comportamento das acções no NASDAQ, é mais fácil compreender de onde surgem estas iniciativas. Olhando para os últimos seis meses de dados, podemos vez que a cotação atingiu 92.45 dólares a 16 de Janeiro de 2020, tendo depois progressivamente vindo a cair até aos 47.35 a 20 de Março.Aos poucos, as empresas começaram a responder de forma mais agressiva aos eventos e notícias em torno do COVID-19, e o resultado foi uma progressiva recuperação de valor (que estava nos 84.93 dólares a 25 de Maio). Outros serviços surgiram com a pandemia enquanto principal estratégia de visibilidade e venda, como a Quarantine Together.

Ou seja: uma das principais forças na reconfiguração da comunicação interpessoal e íntima é o capitalismo, e a busca da maximização de lucro através da utilização estratégica de acontecimentos. Assim, uma análise aprofundada da mediação tecnológica na intimidade implica olhar para estas aplicações e plataformas como processos de acumulação de mais-valia, e compreender de que modo é que essa acumulação opera enquanto uma lente através da qual as pessoas percepcionam as suas próprias possibilidades de vida.

Deste modo é mais fácil compreender como todas as dimensões da nossa vida, incluindo a afectiva, estão ligadas ao actual modo de funcionamento económico da nossa sociedade, e a intimidade e sexualidade digitalmente mediadas são facilmente cooptadas por esse mesmo modo de funcionamento, servindo assim para reforçar ou policiar e censurar que tipos de expressões são aceitáveis ou não.

Olhar o Futuro

Não é possível, a partir desta análise, fazer previsões realistas sobre o que vai acontecer – especialmente porque, conforme as circunstâncias se forem alterando durante os próximos meses, também a resposta dos vários sectores da sociedade se vai alterar. No entanto, é possível antever, no mínimo, alterações temporárias ao perfil de risco de quem tiver interesse em marcar encontros presenciais, e especialmente em situações em que esses mesmos encontros possam envolver várias pessoas. A ideia de “perfil de risco” surge a partir da avaliação que cada pessoa tem de fazer no que diz respeito ao tipo de risco que considera aceitável para si mesma. Porém, tendo em conta as características de transmissão em causa, e a percentagem de pessoas que estão assintomaticamente infectadas, para não falar da falta de informação ainda existente, é difícil para as pessoas em geral avaliar adequadamente qual o tipo de risco envolvido. Afinal de contas, ainda que todas as pessoas envolvidas julguem estar livres de infecção, isso não quer dizer que estejam, e não quer dizer que essa infecção, ao se transmitir, não possa impactar negativamente outras, terceiras, pessoas.

Comunidade, Risco e Empatia

O que isto quer dizer, então, é que continua a ser necessário desenvolver práticas e dinâmicas de comunidade que estejam fundadas na empatia, ao invés de no lucro enquanto fim em si mesmo. Isto passa por compreender que a vivência de intimidade e sexualidade não é semelhante para todas as pessoas, que o isolamento e a importância das redes sociais para o combater não é novidade para alguns grupos discriminados, e que as consequências das nossas acções e da forma como vivemos as nossas intimidades são agora, talvez mais do que nunca em tempos recentes, uma parte inescapável da nossa vida social e política. Assim, na gestão do risco que é feita quotidianamente, teremos de tomar em consideração que este novo desafio é também uma oportunidade para questionar que intimidades são consideradas desejáveis, aceitáveis ou mesmo celebráveis entre nós.

Com uma potencial normalização do uso de aplicações para conhecer novas pessoas e para criar laços de intimidade de vários tipos, convém não perder de vista o facto de que a violência íntima e de género continua a existir, mesmo nestas plataformas, e que não é possível separar as nossas vivências de intimidades de outros temas políticos e de cidadania.


Este artigo foi escrito por Daniel Cardoso (Investigador MSCFA), Doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, e Investigador no Departamento de Sociologia da Manchester Metropolitan University, no Reino Unido, bem como parte do RCASS e do seu Grupo de Investigação sobre Género e Sexualidade. Mantém-se ligado à Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, em Lisboa, Portugal, onde leccionou durante dez anos. As suas áreas de investigação principais são as não-monogamias consensuais, BDSM, género e sexualidades, jovens e novos media, e ciberculturas. O seu trabalho e activismo pode ser consultado em www.danielscardoso.net


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search