Sugestão Quinzenal 01/07

O novo livro de Judith Butler mostra como uma ética da não-violência deve estar conectada a uma luta política mais ampla pela igualdade social. Além disso, argumenta que a não-violência é muitas vezes incompreendida como uma prática passiva que emana de uma região calma da alma, ou como uma relação ética individualista com as formas de poder existentes. Mas, de fato, a não-violência é uma posição ética encontrada no meio do campo político. Uma forma agressiva de não-violência aceita que a hostilidade faz parte de nossa constituição psíquica, mas valoriza a ambivalência como uma maneira de verificar a conversão da agressão em violência. Um desafio contemporâneo de uma política de não-violência aponta que há uma diferença de opinião sobre o que conta como violência e não-violência. A distinção entre eles pode ser mobilizada a serviço da ratificação do monopólio do estado sobre a violência.



Citar este post
antropia (2020, 1 Julho). Sugestão Quinzenal 01/07. Antropia. Recuperado em 22 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/b8wz

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search