“Então, porque não partir para trabalho de campo?”

Nigel Barley licenciou-se em Cambridge, mas foi em Oxford que estudou antropologia e se doutorou em Antropologia dos Anglo-Saxões, sendo mais tarde indicado para professor convidado na Slade School of Fine Art. Até 1978, Barley vagueara pelas instituições de ensino superior e nunca tinha passado pela experiencia “iniciática e reveladora” do trabalho de campo. São os colegas etnógrafos-antropólogos que lhe propõem “Então, porque não partir para trabalho de campo?”.

A antropologia está cheia de devotos malinowskianos, sem paciência para as
abstrações daqueles pobres diabos que nunca se aventuraram no trabalho de campo. Sentem pena (ou mesmo condescendência) pelos “novos antropólogos efeminados” com doutoramentos baseados em pesquisas de biblioteca e que não estiveram lá e, não viram e não sentiram aquela experiência “selvagem” e fundamental da profissão.

Os problemas identitários sentidos fizeram-no querer partir para esse trabalho
“longo e miserável”, procurando inserir-se nesse grupo de etnógrafos- antropólogos que tão insistentemente o apresentavam o trabalho de campo como o ritual de iniciação na sua tribo.

Em O antropólogo inocente, Barley descreve a sua experiência na Terra dos Dowayos, no norte montanhoso dos Camarões, onde vai destilando a antropologia e a experiência vendida como idílica do trabalho de campo. Expõe a dor do etnógrafo,
sempre de forma irónica, satirizando a sua convicção pueril que encontrará no terreno uma súbita compreensão da essência das coisas ou terra fértil para as suas ideias, que acredita serem revolucionárias e capazes de mudar permanentemente o mundo salvando quem nele vive.

Para os jovens antropólogos, o texto cómico inclui os problemas do quotidiano.
Relata os aborrecimentos, mal-entendidos, frustrações e o constrangimento constante do “papel de parvo” que o antropólogo desempenha quando coloca questões tão banais para a população local, que apenas obtém respostas tão uteis à compreensão como “Porque sim”.

Nas palavras de Luís Quintais, que dá prefácio a esta edição, Barley situa-se “entre dois rios”. Entre a sistematicidade científica e a reflexividade da experiência “degradante” do trabalho de campo, o relato em O antropólogo inocente destaca-se pelo humor intelectual que, ironicamente, defende o método e expõe os problemas sentidos, descritos na primeira pessoa, e as hipocrisias nas narrativas desses presunçosos etnógrafos-antropólogos.

Voltando para Inglaterra com as suas crenças fundamentais profundamente abaladas, Barley telefona a um dos colegas que lhe tinha proposto fazer trabalho de
campo:
“Ah, estás de volta.”
“Sim”
“Foi aborrecido?”
“Sim”
“Ficaste muito doente?”
“Sim”
“Trouxeste notas que não consegues decifrar e esqueceste-te de fazer todas as
perguntas importantes?”
“Sim”
“Quando é que voltas para lá?”
Ri debilmente. No entanto, seis meses mais tarde, eu regressei à Terra dos Dowayos”

A importância do trabalho de campo reflete-se no confronto do investigador, antropólogo ou não, com o contexto em que o seu objeto de estudo se insere,
possibilitando a compreensão do outro no seu próprio quotidiano. O investigador no terreno ganha consciência da realidade vivida e dos efeitos que pode ter o seu trabalho.

Apesar do trabalho de campo ser uma ferramenta desgastante pelo esforço físico e psicológico exigido, é também um instrumento capaz de alcançar resultados úteis. Por ser produzido à escala local, este método de pesquisa pode almejar a aplicações não apenas académicas, mas também no quotidiano dos sujeitos que participam na sua construção de forma direta.

Este texto constitui a recensão do livro O antropólogo inocente – notas vindas de uma cabana de lama (2006) de Nigel Barley.

O artigo foi escrito por Carlos Cândido, aluno da Licenciatura de Antropologia na Universidade de Coimbra.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search