Entre a negligência e a possível sobrevivência: NTD’s vs Covid-19

Desde dezembro de 2019 que o novo COVID-19 é uma presença constante nas nossas vidas. A atenção prestada a este novo vírus reflete-se não só no investimento para produção científica e nos esforços políticos a nível global, mas também nas constantes atualizações e divulgações dos meios de comunicação. No último ano sentimos o impacto que um vírus, um pequeno agente infecioso que depende de
portadores para a sua sobrevivência, teve em todos os aspetos da nossa vida. As suas consequências foram sentidas a nível social, político e económico. E apesar de, neste momento, já existirem vacinas para o controlo deste organismo microscópico, as previsões sugerem que estamos apenas no início destas consequências.

Contudo, não é a primeira vez que se assiste a uma pandemia. É, porém, a
primeira vez que nós, ocidentais nascidos depois de 1918, assistimos na primeira pessoa ao desenrolar de uma epidemia e das suas consequências no nosso dia-a-dia e principalmente para o nosso futuro. Se para nós este processo é uma novidade, há, por outro lado, populações habituadas a lidar com vários tipos de surtos epidémicos. Em diversas regiões do globo, o Covid-19 vem juntar-se a um leque alargado de problemas de saúde. Estes problemas agudizam e refletem outros tão graves como o vírus em si. Refiro-me à pobreza, às desigualdades sociais no acesso a serviços de saúde, à educação, a serviços sociais, e insegurança alimentar.

Nas regiões tropicais, estas consequências que hoje vivenciamos há muito foram
sentidas, em consequência, mas não exclusivamente, das Doenças Tropicais Negligenciadas (NTD). As NTD são um grupo diverso de doenças, que podem atingir mais de 1 bilião de pessoas sendo responsáveis por uma elevada mortalidade e morbilidade. Ao contrário do que aconteceu com o COVID-19 – isto é, a mobilização quase imediata de todo o tipo de recursos, o planeamento para o seu controlo, o investimento na ciência e a divulgação minuciosa tanto dos aspetos biomédicos do vírus como das suas consequências a curto e médio prazo – as doenças agora classificadas como NTD foram desvalorizadas e consequentemente a sua resolução é mais morosa e com menos investimentos em terapêuticas. A classificação de uma doença como NTD é essencial para destacar a sua relevância a nível internacional e atrair financiamento para pesquisas e desenvolvimento de terapêuticas.

Segundo a WHO, existem cerca de 17 doenças tropicais negligenciadas, das quais destaco a Dengue1, doença cujo impacto começou a ser mais estudado a partir da segunda guerra mundial . A Dengue é uma doença sazonal que afeta sobretudo as zonas urbanas em mais de 129 países. Anualmente afeta cerca de 390 milhões de pessoas com a possibilidade de atingir os 3.9 biliões. A transmissão é provocada pelo mosquito A. Aegypti fêmea, quando este se encontra infetado. Tendo em conta que o inseto necessita de sangue para a reprodução, os humanos constituem não só uma fonte de alimento como recipientes da infeção. Os sintomas desta doença podem ir desde febres altas, acompanhadas de dores de cabeça e no corpo e fraqueza ou em casos mais graves febre hemorrágica com dores abdominais intensas, vómitos e sangramento da mucosa, que pode levar à morte. A dengue possui quatro estirpes DEN-1 a DEN-4, cujas formas mais mortais são a 2 e a 3. As estratégias de combate passam pelo combate vetorial- através do controlo e eliminação no mosquito Aedes- e pelo combate ao vírus, através da vacina. Esta vacina nasceu em 2015, três anos após a categorização da Dengue como uma NTD, em 2012. Contudo, a sua eficácia está dependente do tipo de estirpe e apenas pode ser administrada a indivíduos que já tenham contraído previamente Dengue.

Os programas e campanhas realizadas para controlar a Dengue, e outras doenças negligenciadas, mostram-se ineficazes. Assentes em estratégias verticais, estas campanhas focam-se sobretudo no controlo vetorial, através do combate ao mosquito, desvalorizando as desigualdades socioeconómicas, que deixam a população mais vulnerável face a doenças. É impossível não traçar um paralelismo com a atual pandemia e as medidas tomadas em todos os campos. No caso do COVID-19, assistimos a medidas que incentivavam em massa a população a proteger-se, medidas que preveniam o colapso da economia a escala global (ex: layof, apoios às empresas, suspensão dos pagamentos das prestações de créditos, etc.) e tentavam menorizar o impacto económico que a pandemia terá em muitas famílias. Num quadro global, tem-se assistido à cooperação entre Estados e a ajudas monetárias por parte de grandes organizações (por exemplo: Organização das Nações Unidas e União Europeia) de forma a apoiar países mais vulneráveis. Estas medidas são o exemplo perfeito de que existe uma consciência política e social em relação ao impacto negativo da pobreza e desigualdades sociais no controlo de doenças e no desenvolvimento do país. Contudo, apenas são postas em prática quando as doenças tomam um carácter urgente, mediático e preocupante o suficiente para reunir esforços políticos para a sua resolução.

Apesar da importância da categorização de uma doença como NTD, está longe de ser a solução para a sua erradicação. Os programas estão dependentes de investimentos internacionais atribuído especialmente para o controlo de parasitas. Os programas implementados são soluções temporárias, que não abordam a complexidade socioeconómica a medio e longo prazo. Por exemplo, a eliminação de 90% dos mosquitos Aedes nos centros urbanos durante a época chuvosa não implica que no ano seguinte estes não se reproduzam novamente. Contudo, um combate ativo às desigualdades sociais, à pobreza e um investimento nas infraestruturas urbanas pode levar a um melhor controlo no futuro.

A discrepância entre estas doenças reflete-se nas preocupações políticas, no investimento e atenção dada pelos meios de comunicação. Existe uma consciência do peso que a pobreza e as desigualdades sociais têm na saúde e, desta forma, durante esta pandemia, existiu um planeamento de medidas para evitar ou amenizar esse impacto no futuro. Este planeamento e medidas contrastam com a ausência de intervenções semelhantes, destinadas a controlar as doenças (causadoras de surtos epidémicos) que assolam países pobres, sendo vistas quase como uma consequência inevitável da sua condição económica. Para estas doenças, a prevenção e o tratamento passam apenas por medidas rápidas e superficiais. Este texto defende a importância de planos horizontais, que contemplem todos os fatores implicados nos problemas sanitários, comparando duas doenças (Dengue e Covid-19), as medidas tomadas para as controlar e a atuação diferenciada entre diferentes zonas do globo.

1 As restantes doenças classificadas como NTD são: raiva; tracoma; úlcera de Buruli; bouba; hanseníase; doença de Chagas; doença do sono; leishmaniose; teníase e neurocisticercose; dracunculose; equinococose; trematodíases de origem alimentar; filariose linfática; oncocercose (cegueira dos rios); schistosomose; e helmintíases transmitidas pelo solo.

Este artigo foi escrito por Catarina Figueiredo, aluno do Mestrado de Antropologia Médica e Saúde Global na Universidade de Coimbra e Membro Fundador da Antropia.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search