O novo coronavírus e a imaginação da cidade futura: algumas notas a partir de Coimbra

Ruas, praças, auto-estradas, parques, universidades, praias, mercados, escritórios, restaurantes, infra-estruturas de transporte, lugares sagrados vazios. Em Março de 2020, multiplicaram-se nos media imagens de cidades de todo o mundo, marcadas pelo “estranho vazio”[1] deixado pelas políticas globais de combate à propagação da Covid-19. Com a crise pandémica, a fábrica urbana parou. Enquanto as pessoas se abrigaram nas suas casas e as máquinas (carros e outros meios de transporte) deixaram de circular, reduzindo em poucos meses os níveis de dióxido de carbono no planeta, vários animais passaram a ocupar, de modo inesperado, o centro da cidade (foram vistos, por exemplo, veados nas ruas de Nara, no Japão, macacos em Lopburi, na Tailândia, javalis em Berlim, coiotes em São Francisco e pumas em Santiago, no Chile)[2]. Em Coimbra, a drástica diminuição do fluxo automóvel encheu a cidade com o som dos pássaros, gerando uma paisagem sonora distintiva dos primeiros meses de confinamento em Portugal

Múltiplas ecologias urbanas foram subitamente transformadas. Como sublinha Kyle Chayka, num artigo de 17 de Junho de 2020 para o The New Yorker, “na maioria das cidades, a rotina da vida social era composta exactamente pelos tipos de negócios que tiveram que fechar durante a pandemia: restaurantes, bares, hotéis e cafés”[3]. Muitas pessoas passaram a andar em espaços onde nunca tinham estado, sem qualquer propósito comercial[4]. É como se tivessem a descobrir um novo lugar. Mas o processo de reinvenção da cidade desencadeado pela presença do novo coronavírus mal tinha começado. Políticos, cientistas, autoridades de saúde, académicos, arquitectos, urbanistas, activistas, cidadãos participam neste processo contínuo, em aberto, polifónico, controverso e imprevisível. A pandemia expandiu a imaginação sobre o espaço urbano. Enquanto uns se esforçam por tornar este espaço seguro, introduzindo nele novas regras e elementos materiais (uso de máscaras, indicações sobre os caminhos a seguir e a distância a manter entre os diferentes transeuntes, divisórias em acrílico ou outro material transparente), procurando regressar rapidamente a um “novo normal”, outros imaginam futuros alternativos desejáveis para as cidades. Multiplicam-se em diferentes lugares os debates e as publicações sobre a cidade pós-Covid.  Nos primeiros meses de confinamento, a rede de académicos, activistas e artistas “Livingmaps”, através de uma chamada aberta intitulada Dreaming of a post-Covid world, convidou pessoas de todo o mundo a mapearem, desenharem e, assim, imaginarem lugares ideais, mudanças sociais e futuros alternativos para um mundo pós-Covid[5]. Kyle Chayka mostra como também os arquitectos estão, nestes tempos de crise, a repensar o espaço urbano[6]. Como refere Georgeen Theodore, uma das arquitectas entrevistadas por Chayka, quando existe uma quebra momentânea do status quo, torna-se mais fácil de imaginar mudanças dramáticas. Assim, a Interboro, uma empresa de arquitectura e planeamento urbano co-dirigida por G. Theodore, trabalhou, durante a quarentena, com clientes institucionais, como as universidades, em estratégias de reabertura, procurando por exemplo expandir funções interiores, como salas de aula, para o espaço exterior.

Ao mesmo tempo que a suspensão forçada da maior parte das actividades quotidianas parecia abrir, para alguns, uma janela de esperança na procura de soluções para os problemas ambientais e sociais das cidades contemporâneas, os administradores do espaço, como lhes chama Michel de Certeau, redesenhavam o sistema urbano. O espaço desenhado durante a crise pandémica é, como sublinha Chayka, “principalmente defensivo, com linhas de fita adesiva e paredes de acrílico, segmentando o mundo externo em zonas de segurança socialmente distantes”[7]. Se o inimigo está nas ruas, espaços e transportes públicos, as barreiras parecem ser nossas amigas. Em Coimbra, como em outros lugares, restaurantes e cafés, ao reabrirem, estenderam as suas esplanadas por ruas e praças, agora divididas e compartimentadas em espaços aparentemente protegidos. O presidente da Câmara, Manuel Machado, questionado, em Novembro de 2020, sobre o investimento feito numa cobertura para a Praça da República, uma das praças mais icónicas da cidade, ponto de encontro para muitos estudantes universitários, respondeu: “todas as pessoas têm direito a conviver, nomeadamente os estudantes universitários, em sítios estratégicos e a terem condições de conforto e segurança ao ar livre”[8]. Mas as condições de conforto e segurança, em casa ou na rua, não são, como sabemos, igualmente distribuídas. Como é referido numa chamada de artigos para uma sessão da Conferência Internacional Anual da Royal Geographical Society em 2021, “décadas de orçamento neoliberal e medidas de austeridade deixaram uma grande parte da população particularmente mal preparada para lidar com uma crise de saúde pública”[9]. Assinala-se no mesmo lugar que a actual crise global de habitação agravou a pandemia e foi agravada por ela. Mas é precisamente porque a rápida e global disseminação do novo coronavírus acentuou e tornou mais visíveis as desigualdades espaciais, que é tempo de abrandar e questionar as actuais ecologias urbanas e, como se defende em alguns lugares aqui referidos, imaginar outras formas de fazer cidade, social e ambientalmente mais sustentáveis e equitativas.

Figura 1- Praça da República, em Coimbra, na manhã de 5 de Julho de 2021. Fotografia da autora.


Este artigo foi escrito por Sandra Xavier, Professora do Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra e Investigadora no Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA).

[1] https://edition.cnn.com/2020/03/12/world/gallery/coronavirus-empty-spaces/index.html (acedido a 03.07.2021). Ver também: https://www.nytimes.com/interactive/2020/03/23/world/coronavirus-great-empty.html (acedido a 03.07.2021). Também a Câmara Municipal de Coimbra divulgou no Facebook filmagens desta cidade deserta: https://www.facebook.com/watch/?v=990655014664052 (acedido a 03.07.2021).
[2] Ver Stoetzer, B. Y., 2020, “Urban vulnerabilities” in Social Anthropology, 28, 2, pp: 360-61. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/1469-8676.12822
[3] https://www.newyorker.com/culture/dept-of-design/how-the-coronavirus-will-reshape-architecture Tradução minha
[4] idem
[5] https://www.livingmaps.org/dreaming-of-a-postcovid-world . Sobre a relação entre a crise sanitária e a imaginação de um futuro económico, ambiental e social alternativo ver também o texto de Bruno Latour em https://climainfo.org.br/2020/04/02/barrar-producao-insustentavel-e-onsumismo/ e o de Petra Rethmann em https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/1469-8676.12844
[6] Idem. O futuro pós-pandémico é também tema de debate entre os arquitectos portugueses. Ver, por exemplo, o programa da Conferência Europeia de Políticas de Arquitectura organizada recentemente pela Ordem dos Arquitectos https://www.cepa.arquitectos.pt/pt/ e a série de entrevistas realizadas pela NOTE-Galeria de Arquitectura http://note.org.pt/ARQUITECTURA-E-CIDADE-EM-TEMPOS-DE-PANDEMIA-inicio-01-05-202
[7] Idem. Tradução minha.
[8] https://www.noticiasdecoimbra.pt/polemica-envolve-cobertura-das-esplanadas-da-praca-da-republica-em-coimbra/
[9] https://www.researchgate.net/publication/349345938_CfP_Post-Pandemic_Urbanism_Reconceptualizing_the_nexus_between_vacancy_occupancy_and_the_right_to_housing_RGS-IBG_Annual_Conference_2021_-31st_Aug-3rd_September_Online_session Tradução minha.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search