Epidemia de Zika: viver com a incerteza

De Brasília/DF à Recife/PE: Antropologia brasiliense e epidemias

Entre os anos de 2015 e 2016, o surto de microcefalia em recém-nascidos marcou o Brasil, principalmente a região Nordeste, configurando um problema de saúde pública nacional e posteriormente uma emergência mundial. O Vírus Zika (VZ), um arbovírus cujo vetor é o Aedes Aegypti, foi associado em 2016 a casos de microcefalia: o mosquito infetado pica e transmite o VZ às pessoas, chega ao útero das mães e afeta o dos bebês. Em 2017 o diagnóstico passou a ser o de Síndrome Congênita do Vírus Zika (SCVZ).

Famílias de micro e o VZ:

Conhecidas, principalmente, pela microcefalia, essas crianças necessitam de acompanhamento médico contínuo e especializado e estão inseridas no universo biomédico desde – e até mesmo antes do – seu nascimento. Ademais, bebês e famílias têm convivido com opiniões, diagnósticos, prognósticos e olhares, dentro e fora das clínicas e hospitais, que condenam e ferem: “ele não vai vingar!”, “se ele nascer, vai vegetar”, “ele é doentinho, né?”, “eu não sairia com um monstro desses na rua”. 

            A Síndrome Congênita do Vírus Zika abarca, além da microcefalia, espasticidade, convulsões, problemas auditivos e oculares, irritabilidade, problemas de deglutição, contraturas de membros e outras complicações neurológicas e motoras. As crianças diagnosticadas com a SCVZ apresentam diferentes graus e quadros. Não há regra no que tange às manifestações da Síndrome, mas inúmeras possibilidades dentro do universo da micro. O que, de fato, é recomendado para todas as crianças, desde o seu nascimento, é a estimulação precoce: o acompanhamento contínuo e especializado com médicos e terapeutas de diferentes especialidades (fonoaudiologia, terapia ocupacional, estimulação visual etc.).

Zika e Covid-19: intercorrências

As tentativas de intervenção do Estado quando do início da epidemia do VZ, decorrente das lutas travadas pelas mães pelos direitos de seus filhos, passam pelas ofertas de atendimento, reabilitação e benefícios às famílias afetadas, até o próprio acompanhamento dos casos e das crianças, identificadas por meio de dados numéricos e estatísticos.

No contexto da pandemia do novo coronavírus, o Estado que assistia as famílias aparece fazendo o oposto do que vinha fazendo ao longo dos últimos anos. O isolamento social imposto no primeiro semestre de 2020 em todo o território brasileiro suspendeu atendimentos, consultas e reabilitações. O Estado não forneceu alternativas eficientes aos atendimentos presenciais e, apesar de cientes da importância das medidas de proteção, as famílias de micro viram seus itinerários terapêuticos serem cerceados pelas medidas tomadas que acabaram por ferir as crianças que dependem do dia a dia nas clínicas e hospitais para conquistar e manter uma qualidade de vida diante das especificidades decorrentes da SCVZ.

Os efeitos e as reverberações do fechamento das clínicas e a não inclusão das atividades terapêuticas e de reabilitação, enquanto atividades essenciais na vida das crianças de micro, já estão sendo sentidos pelas famílias: crianças atrofiando, desaprendendo, “voltando à estaca zero”, transporte oferecido pelas prefeituras com funcionamento suspenso, mesmo após o retorno das atividades nos hospitais e clínicas de reabilitação. Essas são algumas das sequelas que o entrecruzamento das duas epidemias trouxe e que já são visíveis. Mas visíveis para quem?

São as famílias que, mantendo o isolamento social, têm vivido as dificuldades de ficar em casa com crianças que precisam estar nas ruas; a mídia, que em 2015/2016 noticiava os recém nascidos com pequenas cabeças, não mais faz cobertura sobre o assunto; o Estado segue negligente com o país em meio ao Covid-19, que dirá com as famílias afetadas pela epidemia do VZ. E os médicos, as consultas, o acompanhamento? Como tem se dado, como se dará quando a pandemia passar? A prioridade concedida às famílias após a epidemia do VZ em alguns centros de atendimento se manterá?

As incertezas são muitas e é com o intuito de responder a essas questões e assistir as famílias, levando a conhecimento de mais pessoas o que tem se passado, que o projeto “Quando duas epidemias se encontram: Repercussões do Covid-19 no cuidado e cotidiano de crianças com a SCVZ”, também coordenado por Soraya Fleisher (DAN/UnB), surge. O intuito agora é pensar e pesquisar sobre como essas relações se configuram quando a pandemia de covid-19 afeta crianças com a SCVZ.

Autora: Mariana Alves Simões é bacharel em Antropologia e licenciada em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília (UnB). Mestranda em Antropologia Social pelo PPGAS/DAN/UnB e bolsista pelo CNPq, vem se aproximando do universo das crianças nascidas com a SCVZ em Recife, Brasil. Nesse contexto, as relações biomédicas lhe têm saltado os olhos. Antropologia da Saúde, Antropologia e Meio Ambiente e Antropologia da Religião são áreas de interesse. Atualmente integra o grupo de pesquisa CASCA – Coletivo de Antropologia e Saúde Coletiva/UnB e o Projeto de pesquisa “Quando duas epidemias se encontram”.

Imagem: OAPAS


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search