Covid-19: Em que ponto está a relação de confiança?

Numa epidemia, o natural e o social entrelaçam-se ainda mais. Mas o natural, quer seja um vírus, bactéria ou outro agente patogénico, não avança a qualquer altura, “espera” pelo momento oportuno para explorar as fragilidades da sociedade. E esse momento pode acontecer em tempos de aparente prosperidade. A epidemia funciona, pois, como uma lupa que amplifica todas e quaisquer situações de ‘violência estrutural’ (mecanismos de opressão presentes nas estruturas socioeconómicas que impactam negativamente sobre saúde principalmente em contextos de pobreza), termo de Paul Farmer que uso de forma mais livre.

As epidemias são testes ao Estado, quer seja aos soberanos do século XIV, como aconteceu com a peste negra, quer seja aos governos coloniais, caso da tripanossomíase humana africana, quer seja a regimes mais contemporâneos, como sucedeu com o HIV-SIDA, Ébola ou ZIKA. A pandemia do COVID-19 é a prova derradeira para o Estado Português. Este é um desafio hercúleo porque a história muito recente é problemática. Nos últimos 10 anos, Portugal viveu uma crise económica (2008/2015) gravíssima que não deixou qualquer indivíduo, ou sectores sociais, incólume, saúde inclusive; um surto de legionela (2014) que afetou centenas de pessoas; vários incêndios (2017) que causaram dezenas de mortos; tempestades como a Leslie (2018) que deixaram um rasto de destruição na zona centro; ou até furtos de material de guerra de instalações militares que levantaram sobre os próprios militares. Em todos os casos a resposta estatal é vista como insuficiente. O Estado tem que recuperar a confiança dos cidadãos, e tal depende da interpretação que a população faça da adequabilidade das medidas impostas.

A relação de confiança é diariamente (re)avaliada por milhões de cidadãos na sequência das conferências das entidades oficiais de saúde pública, entrevistas ou comunicados do Presidente da República, Governo e pelas respostas de outros atores como Ordens profissionais, sindicatos, confederações. A par, das relações à distância está a experiência diária das medidas sociopolíticas implementadas nesta quasi-quarentena: fecho de várias atividades comerciais, redução voluntária da circulação e/ou o confinamento em casa.

Com menor visibilidade, mas igualmente importante, surgem as experiências pessoais face às decisões administrativo-sanitárias implementadas ao longo do processo epidémico. A nível macro, o isolamento de áreas como Lombardia ou Ovar ou, a nível mais micro, a relação com os elementos coercivos justificados por motivos de saúde publica: confinamento em casa, isolamento profilático ou hospitalização. No momento em que nos encontramos, qualquer rumor e/ou falhas no sistema têm de ser tratados de forma célere pois podem deteriorar a relação de confiança cidadão/Estado. 

O facto de muitas pessoas terem aproveitado o primeiro dia de sol primaveril para passearem descontraidamente à beira mar pode paradoxalmente traduzir que, para algumas pessoas, as previsões dantescas não se concretizaram, e que, portanto, os exemplos de Itália ou Espanha continuam lá longe. Pelo absurdo podemos simplesmente aceitar que há uma onda de serendipity, um acaso feliz.

Ora isto só reitera o facto do ‘público’ da saúde pública não ser passivo. Este conjunto de indivíduos pode ser concebido como um ‘público’ ordeiro e recatado, mas como outros episódios epidémicos alertam, (cólera na Índia Britânica do século 19 ou o ébola na Serra Leoa em 2014 ou República Democrática do Congo em 2019), tem o poder de se auto-transformar numa multidão, que age “sem lei nem rock”. Este equilíbrio depende do balanço entre a disrupção equitativa das vidas proposta pelas respostas governamentais ao COVID-19 e a eficácia a este combate. E este equilíbrio, como a confiança, é dinâmico.

 

Este artigo foi escrito por Jorge Varanda, Professor Auxiliar do Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra, membro da Direção do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) e Coordenador do Pólo CRIA-UC.

Imagem cortesia da TVI24


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search