Sugestão: Outbreak (1995)

The single biggest threat to man’s continued dominance on the planet is the vírus.”
Dr. Joshua Lederberg

Esta declaração ominosa marca o início do filme e avisa-nos que nos devemos preparar para o que aí vem.

Este início mostra a importância da crença, de uma explicação em linguagem lata que arranje respostas para uma situação para a qual não temos palavras. Todos nós temos as nossas crenças, quer recaiam sobre a biomédica ou religião, num momento de grande instabilidade e insegurança face a uma pandemia todos precisam de algo no que acreditar, de forma explicar a situação anómala. 

O vírus descrito por este filme tem como hospedeiro um pequeno animal, que ao ser transmitido para humanos dá início a uma epidemia. 

A questão da biossegurança é realçada através da tentativa de conter não só o vírus na sua origem (Zaire); como na tentativa de o controlar na comunidade Americana onde chegou, através de uma quarentena feroz. Todos os agentes preparados para lidar com este problema são chamados a atuar – agências governamentais como o CDC e mesmo inclusive o exército. Todos trabalham exaustivamente na procura de respostas e soluções.

As questões sociais são de realçar, a comunidade está completamente isolada na quarentena, que conforme o numero de casos aumenta, cria pânico social e tentativas de fuga. As relações familiares passam a ser realizadas à distância de forma a não por em risco toda a família, enquanto que nas estruturas médicas, os infetados morrem sozinhos, sem família, para não arriscar contágio.

A rápida propagação, um curto período de incubação e um aumento de casos sérios levam as estruturas médicas à rutura. O pessoal de saúde que enfrentam o vírus desconhecido correm o risco de ficarem também infetados. 

Apesar de se tratar de um argumento fictício, pressente-se muito do que vivemos hoje com o COVID-19 – os rumores, teorias da conspiração e comentários muitas vezes xenófobos. 

Este filme acaba com a criação de uma vacina, de uma solução milagrosa para o problema, sintetizada numa hora, acabando o filme com esperança. No real, os problemas não possuem uma solução tão rápida. No entanto, fica sempre a crença numa reposta que salvará o mundo.


Bruna Coelho e Catarina Figueiredo


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search