De epidemias e Outros Assuntos Humanos


O Instituto Nacional de Saúde tem o nome da grande referência nacional em saúde pública: Doutor Ricardo de Almeida Jorge. É o laboratório nacional de referência e a instituição onde, presentemente, se realiza grande número de testes para a identificação de casos positivos de infecção por coronavírus.

Autêntico “homem do renascimento”, Ricardo Jorge esteve ligado à literatura e às artes, para além da ciência médica, particularmente a higiene e saúde pública. Mas foi nestas últimas áreas que ganhou a sua reputação nacional e internacional.

Em 1899, era responsável pelo Serviços de Saúde e de Higiene do Município do Porto, criado por sua influência uns anos antes, numa cidade de ruas sujas, deficiente saneamento e abastecimento de água. O proletariado urbano amontoava-se em bairros e “ilhas” de casas miseráveis, de espaço exíguo, mal ventiladas, ocupadas por famílias numerosas, paredes meias com a mesma miséria dos vizinhos. Piolhos, pulgas, percevejos e ratos partilhavam – ou disputavam – os espaços domésticos, com os seus habitantes humanos. Esta ecologia (material, social e económica) era propícia à proliferação de bacilos, vírus e bactérias – organismos apenas recentemente reconhecidos, à época, pela ciências médica como agentes patológicos; não sem discussões, disputas e resistência, dentro da própria classe médica, quanto ao verdadeiro alcance do seu papel e modo de acção na causa das doenças. Que dizer das autoridades, das classes que dirigiam a economia local ou nacional, e do resto dos cidadãos.

Por outro lado, numa sociedade hierarquizada e de poder desigualmente distribuído, havia uma grande desconfiança em relação à autoridade do Estado ou do Município, sobretudo por parte das classes operárias. Mas o próprio Estado e as autoridades municipais demoraram em ceder a gestão da saúde pública à «ciência médica» e aos médicos.

Assim, quando a epidemia de peste bubónica que começara na Ásia atingiu a cidade do Porto, em 1899, as medidas que Ricardo Jorge propôs foram recebidas com hesitação por parte das autoridades municipais e com resistência por parte da população. Essas medidas passaram pela instalação de um cerco sanitário, supostamente guardado pelo exército, desinfecção das ruas, dos esgotos e das casas, e extermínio de ratos (propagadores das pulgas transmissoras do bacilo pestífero). Quanto aos doentes cuja infecção pelo Yersinia pestis fosse confirmada pelo laboratório, deveriam ser internados e isolados e os seus contactos vacinados. Os cadáveres eram cremados.

Ainda que não com o empenho e na proporção pretendidos pelas autoridades sanitárias, e especialmente por Ricardo Jorge (entretanto aliciado para o desempenho do cargo de inspector-geral da Direcção Geral de Saúde e Beneficência Pública, em Lisboa), as medidas foram postas em prática; o suficiente para alimentarem protestos activos por parte dos comerciantes, pelo dano causado à economia local. Mas também para alimentarem a resistência passiva (a arma dos fracos) das classes operárias, que perdiam o seu meio de subsistência, a quem ameaçavam destruir as habitações, cujas famílias eram separadas pelas imposições do isolamento, e para quem a desinfecção das habitações representava, muitas vezes, a destruição do pouco que havia no seu interior. A estas pessoas restava esconder os doentes e explicar a Ricardo Jorge, em rimas populares impossíveis de reproduzir aqui, onde é que ele tinha a peste.

Não era dada escolha à população, não se apelava aos deveres de cidadania, à responsabilidade individual, ao poder de cada um zelar por si, pelos seus e pela comunidade – de dimensões limitadas, não passando dos portões da ilha ou dos limites do bairro. As autoridades administrativas e a força policial não eram instituições cooperantes, ao serviço dos cidadãos; eram antes a autoridade impositiva e punitiva, disciplinadora de comportamento desviantes.

Passaram 120 anos desde a peste do Porto. Mas reconhecemos algumas das medidas estabelecidas por Ricardo Jorge e pelas suas equipas sanitárias. Hegemonia biomédica não significa omnipotência; quem trabalha em epidemiologia e saúde pública sabe-o. Não são apenas microorganismos – não é apenas o coronavírus – fármacos ou vacinas que estão em causa. É, como sempre foi, uma ecologia complexa, variável, composta de condições materiais, económicas, políticas e sociais; de emoções e impressões; de movimento e comunicação. E o equilíbrio, nem sempre fácil, entre o interesse e o espaço público e o privado. Interiorizámos – incorporámos – o ethos biomédico, mas não nos limitamos a reproduzi-lo quando se trata de saúde, doença e sofrimento; antes, ao tornármo-nos “especialistas”, alinhando com o discurso que delega nas nossas mãos o cuidado de nós próprios, desafiamo-lo.

O município de Ovar escolheu estabelecer o cerco sanitário a si próprio. Todos (ou quase) nos apossámos das recomendações das autoridades de saúde, escolhemos quarentenar-nos e pedimos (quando não exigimos) o isolamento dos infectados. Desta vez, ao contrário dos portuenses de há 120 anos, queremos que as autoridades sanitárias façam mais, queremos respostas e acções, queremos informação. Ou então, revelamo-nos contra o excesso de zelo, o alarmismo, o confinamento.

Temos, entre muitas outras vantagens em relação aos cidadãos portuenses de então, a liberdade de escolher. Seja como for – e nunca esperei escrever isto – isolados, venceremos.


Este artigo foi escrito por Mónica Saavedra, Professora Convidada do Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra e Investigadora do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA-Polo UC).


Você pode gostar...

1 Resultado

  1. 03/04/2020

    […] O problema é esse, caro Almirante, a memória RAM. A avacalhação do SNS começou há muito.Recordo-me da terceirização abrangente na contratação de profissionais e serviços, recurso de um moço cheio de boas intenções e espírito católico – foi fecundado pelo “diálogo” e pela crónica falta de um par de testículos de dimensão saudável – que agora dirige a ONU. Depois foi sempre a piorar. Recordo-me ainda do sorriso imbecil de um rapaz muito talentoso, que foi porteiro nas Lajes e hoje é xérman de uma empresa financeira çéria, mas çéria, enquanto inaugurava estádios desnecessários no mesmo país onde doentes tremiam de frio por faltarem cobertores (c-o-b-e-r-t-o-r-e-s) nas enfermarias de um hospital às portas da capital.Até terminarmos nestes tecnocratas de aviário da última década, que pagavam a enfermeiros recibos verdes €2.80 a hora – era “aproveitar as oportunidades”, Passos dixit – e cativavam os recursos do SNS (Centeno eurogrupo aí vou eu). Português nenhum muito indignado que em dois enfermeiros/médicos, num mesmo hospital, possa um ser do quadro e outro terceirizado. Que façam a mesma coisa mas tenham salários e protecções sociais diferentes.E juntemos, claro está, todos os portuguesinhos que acham bestial trabalhar sem passar recibo.Em lugar de estúpidos “Grupo de apoio ao Juíz Carlos Alexandre” no Feissebuque, bípede que numa democracia saudável estava já a tratar de papéis mais inócuos até à reforma, a última década deveria ter sido de grupos de apoio e exigência ao SNS.Anos de saber distinguir e escolher entre António Arnaut, Republicano com R, e Gentil Martins, homem afável que informalmente tive o prazer de conhecer, profissional dedicado e ultra competente, mas, hélas, “inimigo” do SNS – escutar “Retalhos”, por Carlos do Carmo, música Tózé Brito, letra de Ary dos Santos ou ler memórias de Miller Guerra ou António Arnaut.Caro Almirante Alfeite, o despautério é tal que o PM vai, neste tempo, na manhã ao programa da Cristina para, na mesma noite, ser noticiado no mesmo canal por jornalistas – não é que nos escape o ter de chegar às massas mas, citando Adruzilo, o enorme filósofo de Felgueiras, “ó Doutora… foda-se?!”.Também por isto era insuportável o Passos, a sua curteza de vistas, o seu espírito de classe, a sua fétida moral de cardeal Cerejeira e os seus acólitos.Porque se adivinhava que qualquer ilusionista seguinte, desde que não insultasse as pessoas, ia subir o volume da música do baile (ai apalparam o cu à sua filha?! Ninguém se acusa? Então siga a dança).Se lermos a imprensa internacional, o panorama (com pequenas excepções, mais por resultado do pós-guerra que de convicções do presente) não é diferente. Também ali o passado recente foi idêntico. Se lermos a imprensa internacional, o controlo de danos aqui corre melhor que na maioria dos outros lados – não por méritos extraordinários mas também não apenas por acaso ou por ter só uma fronteira – vide https://antropia.hypotheses.org/919 […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search