Breve Cronologia do COVID-19 em Shanghai

Foto tirada a 24 de Janeiro de 2020 em Shanghai

As férias do Ano Novo Chinês em 2020 previam uma das maiores deslocações humanas da história, com mais de 3 mil milhões de viagens agendadas dentro e para fora da China, durante as semanas próximas da passagem do ano lunar. Este ano, essa passagem coincidia com o dia 24 de janeiro, que daria como findado o ano do porco para dar início ao ano do rato. Como manda a tradição, chegadas as férias nacionais do Ano Novo Chinês as pessoas regressam às terras-natais, prontas a passar a noite do Ano Novo, e posteriormente, voltar à rotina apressada da metrópole. Umas férias que oficialmente começaram por volta de 20 de janeiro deste ano.

A cidade de Shanghai fica praticamente vazia durante este período. O que é de esperar, considerando que Shanghai é um dos maiores focos de migração a nível mundial (39% da população total são migrantes), para onde milhões de pessoas se deslocam, desde as regiões rurais da China, à procura de melhores salários (80% dos migrantes vêm de regiões rurais ). É também a cidade chinesa com a maior comunidade de estrangeiros, os famosos expats, que também aproveitam esta altura para viajar ou regressar ao país natal.

No entanto, o jardim YuYuan – que corresponde mais ou menos à cidade ‘antiga’ de Shanghai, e onde geralmente se junta um grande número de pessoas no primeiro dia do ano lunar (25 de janeiro) –, encontrava-se vazio. A que se devia este vazio? Ao novo coronavírus, que ao que tudo indicava, tinha como epicentro a cidade de Wuhan na Província de Hubei, a 700 km de Shanghai.

Este ano, a cidade de Shanghai ficou vazia durante mais tempo. Não só pela ausência dos milhões que saíram da cidade no início das férias, mas também pela ausência das atividades diárias dos seus nativos – o que não era normal. Ou seja, os poucos que ficaram, recolheram-se no seu lar, voluntariamente. Não houve quarentena obrigatória em Shanghai a nível individual. As pessoas podiam sair de casa, desde que bem ‘equipadas’ com o set de proteção: máscara. E desde que evitassem grandes aglomerados. O que se mantém ainda hoje.

A informação em relação ao vírus não era abundante no início das férias. Ou pelo menos, a informação sobre a magnitude do problema. A meio das férias houve, então, a efetiva massificação das notícias sobre o vírus, através da rede social chinesa WeChat. E aí sim, o vírus tinha chegado a Shanghai. Ou pelo menos, a sombra dele. A partir daí, eu saía apenas para comprar comida, o que parecia ser o que toda a gente – que não podia trabalhar – estava a fazer.

Publicação da East China Normal University a 27 de janeiro na página oficial do WeChat

A 23 de janeiro o icónico Museu de Shanghai fechou, no mesmo dia em que começou a quarentena em Wuhan. Muitos comboios pararam, o que impediu muita gente de regressar a Shanghai, nomeadamente colegas meus de trabalho.

A 25 já não se encontrava máscaras em quase lado nenhum. Valeu-me a vizinha chinesa que atenciosamente me cedeu uma caixa. Deve ter percebido que com o meu mandarim não me safaria muito a perguntar onde poderia arranjar mais. O TaoBao, da gigante Alibaba, a app que é usada para se fazer as compras online, também já não tinha máscaras.

A 26 Ma Xiaowei, diretor da Comissão Nacional de Saúde, recomendava que todas as organizações locais (desde os governos locais, passando pelo Governo de Shanghai, até aos militantes do partido – se organizassem para detetar os infetados nos condomínios da sua área, o quanto antes). Se necessário, deveriam bater às portas, e verificar, com especial atenção, quem tinha vindo de Wuhan há pouco tempo.

Esperava retomar o trabalho a 31 de janeiro, quando as férias oficialmente terminariam, e voltar ao centro onde faço atividades extracurriculares com crianças. Até que fui informada de que, a 2 de fevereiro, tinha sido emitido uma quarentena obrigatória (Postponement of Reopening of Business) às companhias que não fossem diretamente associadas à produção de bens essenciais como comida, bens públicos e farmacêuticas, com duração até 10 de fevereiro. No meu caso, o centro onde trabalho ainda não abriu.

Os restaurantes e muitos negócios locais fecharam. Muito para além do primeiro dia do ano lunar, em que é normal estarem fechados. A falta de clientela, que se resguardava em casa, fez com que a manutenção dos mesmos fosse demasiado onerosa para os proprietários que tinham decidido ficar em Shanghai. Por isso decidiram fechar, mesmo que tal não fosse obrigatório em muitos casos.  

As festas e grandes agrupamentos de pessoas foram proibidos, com risco de as organizações do condomínio fazerem queixa à polícia. Instalou-se uma espécie de mistura entre um panótico vigilante, desespero, e uma consciência de dever cívico, no que diz respeito aos negócios e comportamentos privados. 

Algumas linhas do metro fecharam; nomeadamente aquelas que, normalmente, enchiam bem acima da sua capacidade. As rush hours eram altamente controladas pelos seguranças, que mediam a temperatura e certificavam-se que toda a gente tinha máscara. As escolas e todas as atividades que juntassem muitas pessoas fecharam. Anunciaram que este semestre não ia ser como os outros, e ainda estamos à espera das datas de início. Este controlo manteve-se em todas as instituições públicas de Shanghai. 

As pessoas agilizaram-se a trabalhar online e a lidar com a digitalização da saúde. As comunidades organizaram-se para manter o controle dos condomínios. Mas falarei disso noutras crónicas.  

E assim começou o ano do rato. Sendo um ano de sorte, começou ironicamente associada à doença. E Shanghai continuou uma cidade fantasma até inícios de março, quando finalmente se começou a ver uma ligeira melhoria. Durante cerca de mês e meio, Shanghai pôde perceber o que é uma metrópole que se baseia tanto na migração massiva das pessoas. Um vazio fantasmagórico que criava estranheza a quem se habituou a ver a cidade animada pelas multidões de nativos e migrantes. 


Este texto foi escrito por Caterina Paiva, mestre em Antropologia Social e Cultural que reside atualmente em Shanghai, China.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search