Uma questão de organização. Como as pessoas tornaram Shanghai um exemplo de sucesso.

Muito se tem especulado sobre o caso de sucesso que é República Popular da China de controlo do COVID-19. De que forma um país com 1,5 mil milhões de pessoa conseguiu para o número de casos de infetados nos 81 mil, com 3,3 mil óbitos (números oficias). Números que, infelizmente, já parecem pequeníssimos, se compararmos (proporcionalmente) com o que acontece na Itália, Espanha e Estados Unidos da América. São países com uma muito menor população, mas com uma taxa de infetados (e mesmo de números absolutos) bastante superior.

Ora o sistema político chinês é muito complexo, e qualquer tentativa de o simplificar irá prejudicar o seu entendimento. Mas parece-me que o debate que tem circulado em Portugal é se o facto de a China ter um governo central autoritário fez com que a resposta ao vírus fosse mais eficaz, em comparação com os casos das supostas democracias liberais mencionadas acima. Confesso que o caso que apresento nem sequer é em relação ‘à China’. E muito menos ao governo central chinês. A quem se interessar sugiro o texto ‘From Chain Reaction to Grid Reaction’ do antropólogo Biao Xiang: “residential communities, districts, cities, and even entire province act as grids to impose blanket surveillance over all residents, minimize mobilities, and isolate themselves.”

Ao invés disso prefiro fazer uma pequena análise do que vivi no terreno. Qualquer antropólogo ou antropóloga reviraria os olhos ante a ideia de fazer generalizações sobre a reacção de uma população tão grande e tão diversa como a chinesa ao vírus e às imposições externas como o ‘grid reaction’. Como se a reação fosse uniforme em todo o terreno. Como se todas as comunidades partilhassem semelhantes habitus de práticas médicas, culinária, sociabilidade, ou o que quer que seja. Consequentemente, limito-me a apresentar o caso do meu condomínio.

O meu condomínio – bastante antigo, não muito grande, localizado numa parte central da cidade, composta essencialmente por famílias locais, e onde sou a única estrangeira – organizou-se. Não é algo exclusivo desta situação extrema. Na verdade, existe permanentemente um ‘comité da vizinhança’ que é composto por qualquer pessoa do condomínio que queira participar, não sendo essas pessoas necessariamente filiadas no partido comunista. É uma organização autogerida por pessoas que efetivamente vivem nesses condomínios, e que gere o que acontece naquele espaço.

Esse comité da vizinhança (que nome interessante), recebe diretrizes dos governos central e xangaiense. Mas, na prática, a sua organização é decidida pelo próprio comité. E daí saem as pessoas que irão medir a temperatura à entrada do condomínio e que controlam quem entra. Houve inclusive a entrega de cartões para certificar. Como estrangeira, não fui sujeita a tal procedimento; suspeito que por ser a única estrangeira do condomínio, e, portanto, fácil de ser identificada.

Esse comité organizou-se para que todos e todas pudessem ter máscaras. Já depois da minha atenciosa vizinha me ter fornecido uma caixa, o comité organizou-se, em inícios de fevereiro, de forma a que as pessoas se registassem para depois poderem trazer um número de máscaras estabelecido. Fui informada por um papel afixado na porta do edifício (como a maioria dos comunicados emitidos por esse comité da vizinhança) e pela minha vizinha. Ou seja, houve uma racionalização deste recurso, de forma a que todas as casas desse condomínio pudessem ter, ao menos, um número mínimo de máscaras cirúrgicas. Não cheguei a passar por esse processo, pois já tinha máscaras que chegassem e o mandarim era um obstáculo; mas segundo a informação que recebi, cada família podia trazer 5 por casa, por 12 yuans (1,5 euros).

Parece-me que o sucesso de Shanghai se deveu principalmente a, pasme-se, algo que veio de baixo: a cooperação e a responsabilidade social. É verdade que houve controlo nos locais públicos, como referi na crónica anterior. Por exemplo, não se podia entrar no metro sem máscaras, a partir de 23 de janeiro, datado fecho geral das instituições públicas. Mas deixem-me clarificar uma coisa: usar a máscara na rua deveu-se mais à iniciativa privada das pessoas, que queriam garantir a qualidade da saúde pública da vizinhança, do que aos seguranças no metro. Até porque os metros estavam essencialmente vazios, tal como outras instituições que aglomeram muitas pessoas. E essa prática só foi possível porque houve incentivos para que todos e todas pudessem ter acesso a este bem material, quer por organização do condomínio, quer por solidariedade dos vizinhos (como foi o meu caso).

Que questões podemos levantar em face deste exemplo? Sugiro que, antes de mais nada, se preste muita atenção ao que acontece ao nível básico da sociabilidade: a vizinhança, já que até para comprar comida, muita gente preferiu ir aos pequenos mercados perto de casa. E neste caso, isto tornou-se ainda mais flagrante, porque todos os outros focos de sociabilidade – como os locais de trabalho /estudo, ou locais de entretenimento – estavam fechados. Teria sido possível este tipo de organização em Portugal, em por exemplo, aldeias? Organizarem-se de forma a que os recursos limitados pudessem ser distribuídos por todos, de acordo com as necessidades?

Para alem disso, vários colegas meus chineses informaram-me que havia de facto uma nova moralidade a surgir, e que o permanente uso de máscara é um exemplo disso. O uso de máscara não dependeu só das reprimendas por parte dos seguranças, onde quer que eles estivessem. Mais do que isso, o uso da máscara tornou-se uma atitude positiva de cooperação, para manter o bem-estar da vizinhança. Ou seja, mais do que uma demonstração de autoisolamento e individualismo, foi uma prova de cooperação com os que nos rodeiam e de interdependência. O uso de máscaras, junto como isolamento voluntário garantiu uma vizinhança saudável, onde podíamos ainda aproveitar a liberdade da rua, que se manteve (e bem) aberta durante este processo todo.

Que tipo de moralidades emergem destas dinâmicas sociais em tempos de crise? E como são condicionadas pela disponibilidade material do local? Quem padroniza essas moralidades, e quem se deve reger por elas?

Posso dizer com segurança que grande parte do sucesso de Shanghai em manter um número de infetados tão baixo (536, número oficial) não se deveu ao sistema autoritário, mas sim a exemplos como o do meu condomínio e ao partilhado sentido de responsabilidade social entre as pessoas. Deixarei a outra parte do sucesso, e essa sim de cariz autoritário, para a próxima crónica.


Este artigo foi escrito por Caterina Paiva, Mestre em Antropologia Social e Cultural que presentemente vive em Shanghai.

A autora gostaria de agradecer à sua colega Sijia Ren, estudante do Mestrado em Antropologia Social e Cultural na East China Norma University, sem a qual seria impossível o acesso a muitas informações locais.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search