Diário de Quarentena

1º Semana de quarentena: 17 a 23 de fevereiro – O Inicio

Esta semana a minha Universidade decidiu não só suspender as aulas presenciais como uma forma de prevenção e contenção do novo vírus COVID-19, como aconselharam a quarentena e isolamento voluntário. Devido a esta situação encontro-me Coimbra (na zona rural), na casa dos meus pais onde também vive a minha tia.

Vivo na avenida principal da minha vila, e a minha casa para alem de servir para habitação funciona também como local de trabalho para a minha mãe e a minha tia que fizeram do rés-do-chão um salão de beleza onde atuam como cabeleireira e esteticista respetivamente. E o meu pai trabalha numa fábrica de papel na região.

Durante os últimos três anos tenho vivido em Coimbra, onde estudo atualmente Antropologia na UC. Voltar agora a casa durante tanto tempo revela-se um desafio no momento de retomar ligações com os meus pais e criarmos uma nova dinâmica familiar.

A quarentena vem portanto desencadear uma situação completamente nova para mim e para a minha família: o isolamento constante na casa dos meus pais. Esta situação alterou completamente as nossas vidas- os conflitos familiares, a falta de uma rotina e as sucessivas notícias alarmantes sobre o COVID-19, trouxe-nos um enorme sentimento de insegurança, não só a mim, mas também na minha família e aos meus amigos.

2º Semana de quarentena: 24 a 1 de março- À procura de um novo normal

Durante esta semana eu e a minha família encontrámos uma rotina. Existem menos conflitos, embora ocorram com mais frequência que o normal.

As notícias quase ao minuto continuam a deixar-me incerta e desesperada em relação ao futuro. Devido à grande quantidade de informação falsa a circular nas redes sociais sinto que as pessoas, que já se encontram transtornadas com esta situação, começam a entrar em pânico.

Neste momento, o meu pai é o único que sai de casa para ir trabalhar. A estratégia de contingência da fabrica face ao novo vírus foi a redução temporária de trabalhadores não essenciais e turnos de trabalho menos numerosos de forma a evitar o contacto e aglomerados, assim como a aquisição de testes para o COVID-19, que usam periodicamente.

Quando o meu pai chega a casa toma determinadas medidas: desinfeção com spray de álcool, especialmente nas mãos, e evita o contacto com todos até tomar banho. Sinto que estas medidas são, de facto, tudo o que podemos fazer. Caso fique infetado a minha família já preparou uma medida de prevenção: o meu pai deverá ficar em quarentena em casa do meu bisa-avô que fica acerca de 1km da minha e onde ninguém vive.

3º Semana de quarentena: 2 a 8 de março- As aulas

Esta semana tivemos a confirmação de um período inicial da quarentena, e foi declarado Estado de Emergência. Devido a tal, a minha mãe fechou oficialmente o salão depois de uma conversa com colegas do mesmo ramo.

As aulas voltaram em formato digital e está a ser uma experiência contraditória: enquanto alguns professores estão a dar o seu melhor, há outros que não parecem fazer qualquer esforço.

Após percebermos que as aulas presenciais estão fora de questão, muitos professores já deram algumas orientações na forma como as aulas vão funcionar e, especialmente, como se vai realizar o método de avaliação. Contudo, ainda existem professores que não percebem as nossas limitações tecnológicas, como a má qualidade da internet em zonas rurais ou de serra, computadores degradados cuja camara ou micro não funcionam convenientemente, e continuam a exigir, por exemplo, apresentações orais pela plataforma Zoom, o que nos é praticamente impossível de realizar com tais condições.

Estou realmente a sentir saudades da minha rotina e da independência que tinha em Coimbra, dos meus colegas e de ter aulas!

O Diário de Quarentena é realizado por Vitória Vieira, nome fictício escolhido por uma aluna de Licenciatura de Antropologia da Universidade de Coimbra.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search